Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jornal de Hoje :: ENERGIA EÓLICA NO RN

Espanhóis exportam para a América Latina exemplo da praia

por Redação

O litoral Norte potiguar ganhou em julho de 2006 uma nova atração, com a implantação do parque eólico no município de Rio do Fogo, distante 95 quilômetros da capital. Antes mesmo de entrar na cidade, muitos se deparam, ainda na BR-101 Norte, com um cenário futurista, a merecer atenção especial para os 62 aerogeradores, de 75 metros de altura, encravados em meio à mata atlântica, que margeia a divisa com o município de Zumbi, pela costa litorânea.

Foi nessa pequena cidade, com cerca de 150 quilômetros quadrados e pouco mais de 10 mil habitantes, que o grupo espanhol Iberdrola colocou em operação o projeto eólico, denominado "RN15 - Rio do Fogo", com potência para até 49,3 MW. Através da empresa Enerbrasil S.A, um braço de atuação da multinacional, o parque eólico foi o primeiro a comercializar, formalmente, a energia produzida, no âmbito do Proinfa, Ministério de Minas e Energia e Eletrobrás.

Jornal de Hoje :: Saiba mais sobre investimentos em energia eólica no litoral norte do RN

Com um investimento, nada tímido, em torno de R$ 210 milhões, o "RN15 - Rio do Fogo" prevê, nos próximos anos, a concretização do slogan "Progresso e Desenvolvimento" - criado na atual gestão municipal, à antiga colônia de pescadores. Atualmente, a comunidade de Rio do Fogo ainda não foi beneficiada, na prática, com o parque eólico, considerado o maior da América Latina. Mas, os bons ventos já produzem sonhos, criam uma atmosfera de otimismo, principalmente para os mais jovens, futuro da próxima geração.

Aos 44 anos de idade, o nativo, Sebastião Bezerra Filho, cansou de olhar para os aerogeradores na volta das pescarias, sem entender quais resultados os "estranhos espigões" - como ele prefere chamar - poderiam contribuir para melhorias dos moradores locais. Ao caminhar pelo Centro da cidade, o pescador tentava resistir ao cansaço garantido por mais um dia de trabalho, em alto mar, para denunciar o descaso público com a manutenção dos serviços de infra-estrutura básica no município. Nas principais ruas de Rio do Fogo, esgotos a céu aberto, levando água servida e dejetos sanitários à beira da praia, já disputam com os imponentes aerogeradores, a atenção de turistas e moradores da região. "Tenho fé e esperança que nossa cidade venha a ter, no futuro, um crescimento digno, à altura do investimento que aqui resolveram apostar".

O local de instalação do parque está situado em uma propriedade do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), mediante acordo de uso oneroso do terreno, por até 25 anos, firmado entre o Instituto e a Energias Renováveis do Brasil S.A (Enerbrasil).

Interligados entre um circuito de média tensão, uma subestação elevadora e uma linha de conexão com 55 km de extensão, os 62 aerogeradores de 800 kW de potência, cada um, levam a energia produzida à subestação Extremoz, de concessão da distribuidora Cosern. Para que haja uma perfeita operacionalização, o projeto contempla duas estações meteorológicas instaladas com sensores de medição anemométricos, temperatura do ar, pressão atmosférica e umidade relativa. Os dados são armazenados e transmitidos, diariamente, via satélite, para o escritório da matriz, no Rio de Janeiro.

A partir daí, os 49,3MW - suficientes para garantir o fornecimento a uma cidade com 35 vezes mais habitantes do que a população de Rio do Fogo - são comercializados, atualmente, ao sistema elétrico brasileiro, de acordo com o contrato assinado com a Eletrobrás, para as distribuidoras Cosern (RN) e Coelba (BA). Tudo produzido, dentro da ecoeficiência, evitando, dessa forma, a emissão de 26 mil toneladas anuais.

Além disso, a Iberdrola também está investindo cerca de R$ 85 milhões em ações sociais e ambientais que aumentem a qualidade de vida das comunidades do entorno e, ainda, na abertura de mais perspectivas para o desenvolvimento do turismo e maior geração de renda, além de postos de trabalho no litoral norte do Estado do Rio Grande do Norte.

1 comentários:

Lauro Gueluta disse...

A energia alternativa tb é dos colonizadores... nada muda, nada muda... e os principais "rios" de Rio do Fogo são esgotos a céu aberto...

Viva à "ordem e progresso"...

Postar um comentário