Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

[24 julho] Ponta Negra: Contenção de areia fracassa

Diário de Natal - 24 de julho de 2012 

Sacos de areia colocados em Ponta Negra não resistem à ação do mar. Trabalho continua

"É dinheiro jogado fora. É como espuma jogada ao vento". Foi assim que a barraqueira Damiana Felícia da Silva, 48, resumiu o trabalho de colocação de dez sacos de areia como medida de caráter emergencial para evitar novas destruições, nas marés altas, do calçadão de Ponta Negra.

Primeiros dez sacos colocados na sexta-feira foram tragados pelo mar no sábado. Apesar do resultado, plano é afixar 1.400 sacos em toda a faixa afetada.
Afixados na sexta-feira passada, os primeiros sacos de contenção foram engolidos pelo mar logo no dia seguinte. Ontem, quando a reportagem foi ao local, constatou que não havia um saco sequer de pé. Apesar disso, o trabalho de afixação dos 400 novos sacos foi reiniciado ontem pela Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (Semopi). A pretensão é colocar 1.400 sacos em toda faixa afetada para conter o avanço do mar, enquanto não chegam as verbas da União para a reconstrução do calçadão da principal praia de Natal.

Segundo o secretário adjunto de Operações, Caio Múcio Pascoal, além da colocação dos sacos como medida emergencial, a Prefeitura de Natal pretende uma solução definitiva que é a reconstrução do calçadão e execução de um plano que evite a demolição no futuro. Ainda ontem, a prefeita de Natal, Micarla de Sousa, iria entregar ao Ministério da Integração Nacional e à Defesa Civil Nacional toda documentação solicitando a autorização do estado de calamidade pública para o calçadão por parte do governo federal. "Ela preferiu levar em mãos a Notificação Preliminar de Desastre (NPRED) e a Avaliação dos Danos (AVADAN) que relatam todo o problema vivido pela cidade, levando anexo relatórios sobre os danos materiais e ambientais, com fotografias e matérias publicadas pela imprensa sobre a destruição do calçadão", disse Caio.

0 comentários:

Postar um comentário