Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.: Desfalque no DER: Jáder Torres deixa o cargo após desmatamento para construção da Via Metropolitana

BLOG DA ABELINHA - 6/nov/2009

Saiu do chão: Jader Torres deixa o DER

Como o blog e a coluna cantaram a bola hoje (sexta, dia 6), foi confirmado agora: Jáder Torres - nome indicado por Robinson Faria - deixa o comando do DER.

A "gota d'água" para a saída de Jader teria sido a paralizacão esta semana, de outra importante obra da Agenda do Crescimento anunciada pela governadora desde a posse do seu segundo mandato: a Via Metropolitana.

Secretário de Infra-Esturtura, ao qual o DER é vinculado, Dâmocles Trinta responderá pelo cargo temporariamente, em atos que serão divulgados no Diário Oficial de amanhã.

Informações extra-oficiais dão conta que a insatisfação da governadora com o desempenho do DER, seja na recuperação de estradas, na demora da recuperação dos estragos causados pelas chuvas e também pelo atraso de várias obras para ela consideradas prioritárias.

Exemplos: morosidade do prolongamento da Prudente de Morais, a duplicação Via Costeira, a nova estrada Parque da Pipa.

Pontos que irritaram Wilma de Faria, por serem obras há muito anunciadas por ela, com recursos em caixa, algumas com um ano de atraso.

Mais: a governadora não teria gostado, sobretudo, da forma como foi conduzida uma das obras mais esperadas pela capital, como a Abelhinha já publicou: a ampliação e readequacão da Via Costeira que, e ao contrário do que se esperava, teve grande rejeição popular e passou a ser alvo de polêmica e insatisfação pela forma como está sendo construída.

E chegando à gota d'água, ou seja: a Via Metropolitana - prolongamento da Prudente de Morais até o aeroporto, considerado o primeiro trecho da denominada Via Metropolitana para desafogar o trânsito nas principais entradas de Natal, abrindo-se outras alternativas de acesso ao centro da cidade.

Obras que já se iniciam nos preparativos para receber os jogos da Copa 2014.

Sem aceitar mais justificativas, como culpar o Ministério Público ou os órgãos de controle ambiental, não deu outra: exoneração.

0 comentários:

Postar um comentário